segunda-feira, 25 de maio de 2009

A Lagoa


Meus olhos se encheram de lágrimas até aonde podia. E quando estavam mais repletos possível mergulhei naquela piscina d'`agua por alguns instantes. Meus olhos nunca criaram poça antes, sempre surgiu deles rio caudaloso, interminável com correnteza violenta e só.
Esperei, o rio viria.
E não veio, nem com sua força nem certeza. Nem uma pequena nascente sequer.
Curti aquela sensação molhada e estátil em mim porque sempre me doeu parir um rio inteiro por vez.
Me assombrou ter dominado o revolto rio, que tem nascente dentro do meu peito e teimava em desaguar em qualquer lugar para qualquer um ver.
Estranhei a calma da lagoa sob meus olhos. Que ela tome conta de mim.


Crédito da foto: D. Laubner do site www.madeiratourism.org

3 comentários:

Fernando Grilo disse...

Infelizmente (ou felizmente?) acho que é isso que a maturidade faz com a gente. Mas qual foi o motivo da emoção?

Casa de Colmeia disse...

que bello!!!

Rafael Campos disse...

Nossa! Que foto é essa? Maravilhosa... parabéns pelo blog, serei mais um leitor assíduo!
abraço!