domingo, 15 de agosto de 2010

Numa festa infantil


Passar uma tarde inteira numa festa infantil é um dos programas rotineiros que tenho feito desde que me tornei mãe. Por um lado é muito bom, pois é alegria garantida para o pequeno e amiguinhos mil para distraí-lo (às vezes fico sem energia e criatividade para entretê-lo).

Por outro nem tanto: como comida engordativa demais, corro para lá e para cá para vigiá-lo (nunca tive babá), o barulho é ensurdecedor, os animadores são muito cafonas e pedantes e a chance de ficar deslocada no meio de pessoas que não são do meu círculo de convivência é muito grande.

Desta vez foi diferente: a festa foi pequena, a mãe fez tudo com as próprias mãos - dos docinhos à decoração e lembrancinha - o lugar era super seguro e consegui me enturmar com as mães. Estava me divertindo numa mesa cheia de mulheres, ouvindo as histórias de uma delas, que resolveu se abrir e contar da separação com detalhes, quando outra se levantou de fininho.

Na volta, ela estava com um semblante normal, típico de quem tinha ido logo ali no banheiro. O filho dela veio atrás e se aproximou da mãe da dona da festa:

__ Ô Mariaaaana, a mamãe tá roubando os docinhos antes do parabéééééns!

A gargalhada foi geral, e eu nem tive coragem de olhar nos olhos da mãe desse espertinho dedo-duro.

Depois de ouvir esta pérola, eu nem precisava levar para casa a lembrancinha mais fofa do mundo: um cupcake inacabado, com granulados, estrelinhas e confetis para a gente decorar com as próprias mãos em casa. Tive certeza de que o amor se revela nos detalhes.

3 comentários:

Lucas Tiago R. de Freitas disse...

As coisas feitas com carinho e com amor são muito melhores.

Muito massa.

Boa semana, Carol.

Fernando Lutterbach disse...

Pena que perdi essa...eu adoro ir com vocês nas festas infantis, principalmente por causa dos docinhos e salgadinhos. Adorei a história do menino que dedurou a mãe...Bjs.

Mari Barros disse...

Festinha infantil que não resisti!