quarta-feira, 29 de julho de 2009

Apreciadora nível avançado e entendedora nível básico 2

Ontem participei, junto com vários jornalistas de veículos impressos de Belo Horizonte, de uma noite dedicada a conhecer mais profundamente todo o universo que envolve produzir e beber um bom vinho. O curso básico foi ministrado pelo sommelier paulista Alex Sacramento na Expand.
Divido com vocês algumas micro-pílulas do que aprendi por lá:
* O vinho tem mais de 600 componentes, mas os mais importantes são o álcool, aromas, frutas, acidez (é o que dá a longevidade ao vinho branco) e tanino (só os tintos têm).
* Dizem que quanto mais velho o vinho melhor, certo? Nem sempre, mas a videira sim. Só quando a planta faz 9 anos de idade ela fica melhor e mais "inteligente".
* Os melhores lugares para se produzir vinho são aqueles que tem as quatro estações do ano bem definidas e boa oscilação térmica entre dia e noite.
* As boas safras dependem do terroir, palavra francesa que engloba a terra, o clima, o trabalho do homem e o vento lateral.
* Portugal é o maior produtor (e quase o único) de rolha. A planta leva 40 anos para crescer. Não adianta nem guardar em casa as suas rolhas usadas pois é impossível reciclá-las. Esse é um dos motivos que aumentam o valor agregado do vinho: uma boa rolha.
* Napoleão foi o primeiro garoto propaganda da Champagne, foi ele quem disse a famosa frase sobre a bebida: "Merecido na vitória e necessário na derrota".
* A Veuve Clicquot produz de 5 a 6 milhões de garrafas por ano só da bebida brut.
* Quem tem adega em casa é fácil armazenar corretamente o vinho tinto, que deve ficar na temperatura de 16 a 18 graus. O vinho branco e o espumante podem ficar armazenados nessa temperatura, mas antes de servir devem ir para a geladeira por meia hora, até que atinja os desejáveis 6 a 8 graus. Nunca leve ao congelador!
* Quem não tem adega deve guardar os vinhos no local mais úmido e escuro da casa. Sugestão minha: dentro do armário. Ah, claro, na posição horizontal para que a rolha não fique seca.

Na hora da degustação provamos quatro vinhos diferentes. Vou destacar dois deles.


O Costaripa Brut Rose Metodo Classico é italiano da região de Lombardia. O aroma é delicioso: frutas maduras e frutas silvestres com um toque de baunilha.
O gosto é fresco, persistente, totalmente equilibrado: realmente muito bom.


Resolvi falar deste Winemakers Lot 20 Riesling por ter me surpreendido no aroma. Nunca tinha provado nada igual. Floral, com notas cítricas (arrisco a dizer que percebi um aroma de maçã) esse vinho chileno é refrescante. O sommelier disse que tem notas de minerais. Bom, ainda não cheguei a perceber tanto, mas fica aqui a consideração dele. rs.


Agradeço à Regina Perillo Comunicação por ter me convidado representando a revista Encontro. Aproveito para dizer que a Expand oferece uma lista de cursos dedicados ao universo do vinho. Quem se interessa é só ligar: (31) 3262-2444.

As considerações apresentadas aqui são pessoais e não tem nenhum caráter comercial.

4 comentários:

Carolina Pagioli Lessa disse...

Ai, com certeza deve ter sido um delicia participar desse evento hein???

Adorei as observações que vc fez, assim dá pra aprender um poquinho.

Beijo

Fernando Grilo disse...

Muito bem Carol, para uma entendedora nível básico 2 você está bem avançada nos conhecimentos. Agora a gente tem que por em prática e beber mais vinho! Beijos.

Camila Godoi disse...

Que delícia, irmã! Adorei... se só com uma pequena aula vc já aprendeu isso tudo vai ser o máximo se fizer um curso!
bjo

heylyla disse...

notas de minerais foi sensacional! ahahaha, hum! deu vontade de tomar um vinhozinho...