sábado, 15 de agosto de 2009

Sábado enogastronômico

Bom para reencontrar uma amiga e conversar sobre a delicadeza dos homens. Sim, existem aqueles que ainda nos surpreendem com flores todos os aniversários de namoro, abrindo a porta do carro, pagando a conta do restaurante ou enviando caixas de chocolate antes que bata aquela vontade. É uma delícia divagar sobre o que gostamos ou não nos nossos amores. Conversar tomando algumas taças de vinho é algo especial; a bebida convida à intimidade e ao prazer de perceber como a vida pode ser leve, colorida e surpreendente. Nunca igual, como foi nosso almoço.
Foi no deck da Enoteca Decanter esse encontro, desfrutando de uma ideia de gênio do proprietário dessa loja de vinhos/espaço enogastronômico. Todos os sábados o sommelier Nelton Fagundes e o enólogo Lisandro Neis apresentam quatro taças de grandes vinhos para acompanhar quatro pratos - elaborados pelo chef Adenílson Fiúza - durante o almoço.

Entrada 1: Salada Verde de figo, parma e azeite extra virgem harmonizado com o vinho branco Gros Manseng - Sauvignon Alain Brumont 2006 (Madiran - França)


Entrada 2: Camarão flambado com Brócolis harmonizado com o vinho Rose Cabernet Sauvignon Ramón Roqueta 2006 (Catalunya -Espanha)


Prato Principal: Filet Mignon com purê de batatas e molho de uva harmonizado com o vinho tinto Syrah Kailá Fatasciá 2005 (Sicília -Itália)


Sobremesa: Creppe com creme pâtisserie com frutas vermelhas harmonizado com o vinho branco de sobremesa Château dês Tours - 2005 (Saint-Croix-Du-Mont - França)


Le Verre de Vin: Essa é a máquina inglesa, mas inventada por franceses, que retira o O2 das garrafas de vinho. Com ela, a enoteca pode vender uma quantidade e variedade maior de vinhos em taça, pois eles tem vida útil maior, de até 90 dias. Para quem quer conhecer mais sobre esse universo é uma ótima oportunidade, já que pode-se tomar apenas uma taça de um vinho raro sem ter que desembolsar uma fortuna na garrafa ou então não dispensar a bebida só porque não está com ânimo de beber uma garrafa inteira. Na foto, o enólogo Lisandro Neis, que me explicou que a máquina é bem diferente do Vacun-Vin, pois controla a quantidade certa do gás e a pressão que pode ser feita em cada vinho. O Vacun- Vin é manual e corre-se o risco de se retirar mais do que o ar e com isso tirar os aromas e parte do álcool da bebida.

Cíntia, obrigada pela agradável companhia.

Fotos: Carol Godoi

2 comentários:

Fernando Grilo disse...

Querida, confesso que fiquei com inveja desse programa. Principalmente depois de ver estas excelentes fotos que você trouxe. A da 1º entrada então...maravilhosa. Parabéns pelas fotos, pelo paladar e pela sensibilidade que sempre foi uma característica peculiar da sua personalidade. Beijos.

Camila Godoi disse...

IRMÃ!! Amei a dica!!
Suas fotos ficaram MARAVILHOSAS!!!
Beijos